Tuesday, September 21, 2021

Nebulosa Cabeça de Cavalo

A famosa região da Cabeça de Cavalo na constelação de Orion está localizada a 1.500 anos-luz da Terra na proximidade de uma das "As Três Marias", a estrela Alnitak (Zeta Orionis), que na realidade não é uma única estrela, mas um sistema triplo onde sua primária possui 28 vezes mais massa que o nosso Sol.

A formação que dá origem ao nome dessa região é em si uma nebulosa escura, grande porção densa de poeira e gás que absorve boa parte da luz que a ilumina vinda da estrela Sigma Orionis, esculpida por ventos e radiação estelares.


A região também possui uma enorme quantidade de Hidrogênio, que ionizado pela energia liberada pelas estrelas próximas dão uma tonalidade avermelha na imagem.


Foram 3 horas de captura durante a lua cheia e usando filtro banda de banda estreita L-Enhance.

Céus limpos

@astronomiaNoCerrado

Tuesday, September 14, 2021

Astronomia: Um ensaio sobre Ciência e Fé

Esse não é um texto sobre religião e sim sobre acreditar em algo que não se vê, que não se mede e que nem mesmo sabemos se realmente existe. A fé não só não se sobrepõe a ciência como é essencial, sem ela não há busca pelo desconhecido, pelo novo e pela evolução das leis que regem o universo. Precisamos simplesmente crer que a ignorância do ser humano de hoje será superada um dia e trará luz sobre a incompreensão.

A astronomia de nossos ancestrais nasceu da fé, quando os povos antigos observavam as danças das estrelas, cometas, planetas e buscavam o entendimento. Naquela época sem a compreensão das leis da Física, só podiam crer que havia alguma explicação para tudo aquilo.

A ciência Astronomia avançou muito com a ajuda de Kepler, Galileu, Isaac Newton, Einstein e tantos outros gênios da ciência que ajudaram a humanidade e descrever a dança do universo com as leis essenciais da física. Mas ainda assim há de termos fé pois mesmo após alguns milênios ainda não estamos nem perto de compreender questões essenciais como a se estamos sozinhos nesse universo, qual foi a Primeira Causa para que aquele universo denso se expandisse dando origem a tudo, é possível o tudo nascer do nada? Simplesmente temos que ter fé que a ciência não é finita e completa, portanto estar abertos a todas as possibilidades de respostas.

Observar o cosmos é tão intrigante quanto fascinante. Ao mesmo tempo que um olhar quantitativo do universo desperta uma sensação de insignificância, também paramos para pensar o quão raro é a vida. Foram bilhões de anos onde um infinito de experiências físicas e químicas tiveram que ocorrer e falhar para estarmos aqui hoje. Esse fato deveria nos trazer um sentimento de gratidão.

Parafraseando Carl Sagan, somos formados por restos de estrelas mortas. Sabemos disso pois a ciência já descobriu que aquilo que nos forma biologicamente está presente em abundância no Cosmos. E os sentimentos? O que une o carbono ao amor?

Hoje apenas a fé. Para essa ponte muitos dão o nome de Espiritualidade. Não falo da religião, mas das características ainda inexplicáveis pela ciência que a vida avançada adquiriu com a evolução: amar, ter consciência de si e do mundo e ter fé.


Céus limpos
@astronomiaNoCerrado

Monday, September 6, 2021

Limite Astrobiológico Copernicano

Quantas civilizações inteligentes podem haver por ai na Via Láctea ?

Em 2020 um artigo científico chamado The Astrobiological Copernican Weak and Strong Limits for Extraterrestrial Intelligent Life trouxe uma abordagem atualizada da Equação de Drake para determinar o número de possíveis civilizações inteligentes em nossa galáxia.

A ideia desse post não é trazer o conteúdo desse artigo e sim fazer nossas próprias estimativas usando o modelo matemático proposto:

N = Nt * fl * fhz * fm * (L/τ')

Onde

N = É o número de civilizações inteligentes no momento em nossa galáxia.

Nt= Total de estrelas em nossa galáxia.

fl= Porcentagem de estrelas que possuem +5 bilhões de anos.

fhz= Porcentagem de estrelas que podem ter um planeta capaz de suportar vida.

fm= Porcentagem desses planetas que podem ter metais suficientes para desenvolvimento de vida avançada.

L = Tempo que uma civilização inteligente precisa para desenvolver formas de comunicação.

τ'= Tempo necessário para a vida inteligente se desenvolver em um planeta até ser possível se comunicar.

Tudo posto na mesa, vamos a estimativa. 

Consideremos que existam por volta de 100 bilhões de estrelas em nossa galáxia. 10% dessas estrelas seriam anãs amarelas como o nosso Sol e portanto idade aproximada, estimativas usando dados do telescópio Kepler sugerem que podem haver 300 milhões de exoplanetas habitáveis e vamos assumir que 50% deles teriam metais para o desenvolvimento de vida avançada. Sabemos de evidências de vida na Terra que datam de aproximadamente 3.5 bilhões de anos atrás e portanto podemos estimar que o tempo necessário pata o surgimento da vida seja de no mínimo 1 bilhão de anos. Mas vamos adicionar mais 3 bilhões de anos nessa conta, já que esse é o tempo total que conhecemos para o surgimento de vida avançada (nós? 😅)

Por fim, usando novamente a humanidade como exemplo podemos dizer que seriam necessário ao menos uns 100 anos para criarmos nossos sistemas de comunicação inteligentes.

Colocando tudo isso no modelo, temos um total de 38 civilizações inteligentes por ai! 👽👽👽

Vamos extrapolar mais um pouco. Digamos que a Via Láctea tenha um volume de um cilindro de 50mil anos-luz de raio e mil anos-luz de altura. Portanto 7 x 10^12 anos-luz^3.

Qual a probabilidade de uma civilização estar a 4 anos-luz de nós ? (Estrelas mais próxima depois do Sol). Podemos assumir que seria 

P = Volume De uma Esfera de 4anos-luz de raio / Volume da Via Láctea

Então a probabilidade seria de 3 x 10^-9 %. O que ajuda a explicar porque ainda não achamos nada! Mais fácil ganhar na Mega-sena!

Valeu a brincadeira.

Obs: A estimativa no artigo fala em 36 civilizações em condições mais restritas. Então nossa conta não ficou muito fora.

Céus limpos!

@astronomiaNoCerrado

Um grupo de amigos e um céu escuro faz o tempo desaparecer!

O criador da Teoria da Relatividade, Albert Einstein, referia-se ao fato de o tempo ser relativo, vinculando-o à velocidade. Como fazer a no...